O Danfe é um dos documentos que as empresas precisam emitir durante uma transação comercial. Esse documento serve para auxiliar a NF-e, mas não pode substituí-la.

A Nota Fiscal eletrônica faz com que a transmissão dos dados de vendas à Secretaria da Fazenda, bem como o recolhimento de tributos, seja mais eficiente e imediato.

Mas por ser um documento digital, seu acesso, principalmente em fiscalizações rodoviárias, é mais difícil.

Portanto, o Danfe foi criado para facilitar a conferência dos dados da NF-e. Além de garantir o cumprimento das obrigações fiscais por parte da empresa.

Agora, se você deseja saber mais sobre esse documento e como emiti-lo, continue lendo esse artigo que a STi3 Sistemas preparou para você.


O que é Danfe?


O Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica é uma representação física e simplificada da nota fiscal eletrônica (NF-e), já que esse último é totalmente online.

Por meio de uma chave de acesso, o Danfe possibilita acessar o arquivo digital da nota armazenada nos servidores da Secretaria da Fazenda (SEFAZ).

Assim, as informações do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica são suficientes durante um processo de fiscalização e conferência de mercadorias pela Receita Federal.

Por isso, além da chave e do código de barras, ele deve conter um resumo da NF-e, como os dados jurídicos e comerciais do emitente, dados dos destinatários e o valor total da mercadoria. 


Para que serve o Danfe?


O Danfe serve para comprovar a existência da NF-e, pois possibilita que suas informações estejam acessíveis em qualquer lugar, além do ambiente digital.

Desse modo, precisa acompanhar as mercadorias em todo o seu trajeto, desde a loja até o cliente final.

Além disso, ele confirma a realização da operação, uma vez que pode ser usado para colher a assinatura do destinatário no momento da entrega ou da prestação de serviço.

Por fim, o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica pode apoiar na escrituração contábil das empresas. O que, por sua vez, facilita a organização do negócio.

Dessa maneira, ele é importante para a Receita Federal, para o negócio e para o cliente.


Quais as principais diferenças do Danfe e da nota fiscal eletrônica?


Embora ambos estejam relacionados, o Danfe e a NF-e são documentos distintos em vários aspectos, veja:

1. Formato


A principal diferença entre o Danfe e a NF-e diz respeito ao formato. O primeiro é físico, pode ser impresso a qualquer momento e enviado ao consumidor.

Já o segundo, é totalmente digital e só pode ser acessado através de um arquivo XML.

A Nota Fiscal Eletrônica foi instituída pelo Governo Federal em 2007 como parte do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), um programa para modernizar e facilitar a transferência de informações fiscais e contábeis das empresas.

Portanto, a nota, cujo objetivo é documentar o comércio de mercadorias ou prestação de serviços, fica armazenado eletronicamente na SEFAZ.

2. Arquivo XML


Enquanto o Danfe é um documento físico, a NF-e é um arquivo digital XML padronizado conforme a escrituração fiscal brasileira. 

As empresas só podem emitir a Nota Fiscal eletrônica através de programas específicos, como um sistema de gestão empresarial, ERP.

Já o cliente que deseja acessar a nota, precisa entrar no Portal da NF-e e digitar a chave de acesso descrita no Danfe.

3. Valor Fiscal


Por fim, a NF-e possui valor fiscal e serve para o recolhimento de tributos pelo FISCO.

Dessa forma, tanto o fornecedor quanto o comprador devem guardar os arquivos XML por no mínimo cinco anos para que possam ser apresentadas em caso de uma fiscalização realizada pela Receita Federal. 

Já o Danfe não tem valor fiscal e, portanto, não precisa ser arquivado.




Informações obrigatórias da Danfe


O Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica deve conter obrigatoriamente uma chave de acesso e um código de barra, além de:

  • Dados do emitente (nome, CNPJ, endereço);
  • A frase “Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica – DANFE
  • Natureza da operação;
  • Data e hora de saída da mercadoria;
  • Dados da transportadora;
  • Identificação do veículo;
  • Lista dos itens comercializados ou serviço;

O código de acesso contém 44 dígitos, formados por:

  • Primeiros 2 dígitos: código do Estado (UF) do emitente – primeiros 
  • 4 dígitos seguintes: ano e mês da emissão da NF-e (no formato AAMM)
  • 14 dígitos seguintes: CNPJ do emitente da NF-e (CNPJ da sua Empresa)
  • 2 dígitos seguintes: modelo da NF-e
  • 3 dígitos seguintes: série do NF-e
  • 9 dígitos seguintes: número da NF-e
  • 9 dígitos seguintes: código da NF-e (número gerado pelo sistema)
  • Último dígito: dígito verificador – DV.

Este documento ainda precisa seguir um layout padronizado, disponível no Manual de Integração do Contribuinte, e pode ser impresso em qualquer tipo de papel, exceto papel jornal, com tamanho mínimo A4 (210 x 297 mm) e máximo ofício.


Como gerar um Danfe?


Gerar um Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica para ser encaminhado para o cliente ou para ser impresso é muito simples, confira:

1. Ter um único emissor para gerar o documento


Para reduzir divergências, o Danfe deve ser gerado pelo mesmo software de emissão de NF-e

A SEFAZ conta com um emissor gratuito, mas a empresa também pode usar um sistema próprio de gestão, como o da STi3.

Esse sistema conta com uma solução completa para restaurantes, lojas de roupas e outros negócios de varejo. 

Por meio da integração automatizada, ele facilita não só o controle de vendas e estoque, mas também a emissão da Nota Fiscal e do Documento Auxiliar, possibilitando ainda o envio dele aos clientes.

2. Natureza de operação 


O Danfe só pode ser gerado após a emissão da Nota Fiscal Eletrônica. 

Sendo assim, por meio do sistema de gestão, emite-se o arquivo XML com todas as informações fiscais da operação comercial.

Ele então é assinado através do certificado digital, para ser transmitido em sequência para a Secretaria da Fazenda.

Se a nota estiver correta, o governo valida e a devolve para a empresa, que então poderá fazer a impressão da Danfe.

3. Impressão da Danfe 


A partir do sistema usado, você terá a opção de imprimir o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica, armazená-lo no computador ou ainda enviar para o e-mail do cliente.


Qual a importância do Danfe para o negócio?


O Danfe garante uma maior transparência para as empresas, uma vez que permite que os clientes possam consultar os dados da NF-e no site da Receita Federal ou da Sefaz.

Ele ainda certifica que o negócio está em dia com as obrigações fiscais e tributárias, além de reduzir as chances de erros de escrituração, pois é gerado no mesmo emissor da Nota Fiscal Eletrônica.

Por isso, toda empresa que queira se destacar no mercado, atuando de forma regular, precisa gerar o Danfe de modo obrigatório.

E por isso, ter um sistema operacional como a STi3, que facilite esse processo, pode ser o grande diferencial para a otimização de tempo do seu negócio.

E se você deseja um software que permita a emissão destes documentos seguindo as exigências tributárias, precisa conhecer o Sistema da STi3. Peça agora uma demonstração gratuita clicando aqui.

gestao-estrategica-empresarial-05